sexta-feira, 17 de julho de 2009

A deliciosa arte de não fazer nada


Um dia desses, véspera de um feriado prolongado, eu estava num congestionamento de uma avenida em São Paulo. Eu ouvia, pelo rádio, a notícia de que outras avenidas da cidade também estavam com trânsito lento bem como as estradas pois com certeza um grande número de pessoas iriam viajar. Fiquei imaginando que aquele feriado prolongado seria para muitas pessoas a oportunidade de dar uma pausa e ter um descanso. Uma pausa é necessária, indispensável, cobiçada pela maioria das pessoas que vivem na agitação de uma cidade grande. Mas será mesmo que aproveitamos os nossos momentos de lazer para realmente dar uma pausa e descansar? Será que essa pausa existe num mundo que funcionar 24 horas por dia parece não ser o bastante? Será que o nosso lazer é feito de descanso ou de ocupações? Um bom exemplo para essa reflexão é que muitas pessoas perguntam no seu dia de folga e de descanso: "o que vamos fazer hoje?" . Esta pergunta é sempre acompanhada de uma certa ansiedade e agitação uma vez que ficar sem fazer nada nos remete também a uma grande culpa... Mas por que nos sentirmos culpados de simplesmente dar uma pausa e de descansar? Além disso, para os valores da nossa sociedade quem não tem tempo é importante chegando a ser sinônimo de pessoa bem sucedida e quem tem tempo não é sério nem responsável. A maioria das pessoas comentam: "não tenho tempo para nada!". É interessante pois fazemos tanto e realizamos tão pouco! E foi pensando nisso que eu passei o meu feriado sem fazer nada, de "pernas para o ar"! E com muito espanto, algumas pessoas me olharam, na semana seguinte, quando ao me questionarem o que eu tinha feito no feriado eu respondi: "nada!". Apenas descansei oferecendo para meu corpo e mente uma verdadeira pausa. Percebi que tive a deliciosa oportunidade de olhar para mim mesma, sair do barulho de fora, para investir no meu silêncio e paz internos. E deixo aqui uma sugestão para o seu próximo dia de folga: "não faça absolutamente nada!" Livre-se da culpa e da ansiedade e se dê ao luxo de olhar para o céu, para as estrelas, para a copa das árvores e principalmente de olhar para você mesmo. E como já dizia um velho ditado chinês: "nada fazendo, a primavera vem e a grama cresce por si!"

2 comentários:

m.mara disse...

Excelente o texto! digno de se colocar na frente do espelho e lembrar-se todos os dias. Devagar e sempre, esse é o lema das pessoas saudáveis de corpo, mente e espírito.

Valquiria Rita Geraldini disse...

Obrigada! Concordo com você... Felicidades!