sexta-feira, 19 de julho de 2013

As cores podem ser aliadas do equilíbrio


As cores têm influência sobre o estado de espírito das pessoas. Conhecido dos gregos na antiguidade, o poder das cores foi comprovado décadas atrás em laboratórios de pesquisa e é um conceito amplamente usado em decoração.
A cromoterapia utiliza como base para a decoração e para os tratamentos de saúde as cores do espectro solar (que aparecem no arco íris). A primeira regra é que as cores primárias (azul, amarelo e vermelho) são mais fortes e, por isso, produzem reações mais intensas. Em geral, as pessoas mais emotivas e sensíveis, assim como as crianças, são mais suscetíveis à influência das cores, embora a vibração que elas emanem atue de forma semelhante em todos os seres vivos.

Preto: está relacionada ao elemento água e é o símbolo máximo do Yin. Por isso mesmo, seu uso não é recomendado para pintar paredes de ambientes internos.

Verde: ligada ao elemento madeira e à primavera, que juntos representam crescimento, desenvolvimento, natureza e saúde. A cor pode ser usada com liberdade em todos os ambientes da casa, mas em tons suaves em ambientes como quarto e cozinha.

Azul: remete à natureza seja no céu ou no mar. Quando usada de forma dosada, proporciona tranquilidade, porém, em demasia pode favorecer a introspecção e o isolamento. É recomendado para ambientes que visem ao descanso, como quartos e sala de meditação. Não é indicado em salas de estar, de TV e de jantar ou cozinha.

Vermelho: Cor relacionada à vida, à força e à energia vital máxima. O ideal é usá-la em ambientes de interação entre pessoas - como sala de estar, de TV ou mesmo de jantar. Não é recomendada em banheiros, cozinhas e quartos.

Laranja: está situada entre os elementos fogo e terra e, portanto, carrega um pouco das características dos dois elementos. Pode ser aplicada nos quartos, principalmente de adultos e de preferência na parede atrás da cama. Em espaço de refeições, estimula o apetite.

Amarelo: representa a luz do sol e o brilho do ouro. Melhora a concentração e a facilidade de comunicação. Pode ser usada na sala de TV. Não é recomendada em banheiros e quartos. Já na cozinha, pode ser empregada nos detalhes ou em uma das paredes.

Branco: remete à pureza. Não há qualquer restrição quanto ao seu uso. Detalhe: deve ser observada a utilização da cor branca sem brilho em quartos e banheiros e com brilho em salas de TV e cozinhas.

Fonte: Revista Viver São Paulo


domingo, 7 de julho de 2013

A Terapia Floral e o resgate da autoestima




A autoestima pode ser definida como sendo uma impressão objetiva e favorável que uma pessoa te de si mesma e que influencia todas as suas experiências.
Autoestima positiva é uma atitude que se difunde e que pode fazê-lo sentir-se bem em relação a si mesmo, fazer com que você realmente goste de si mesmo. Certamente, quanto mais autoestima você tiver, melhor será a sua vida. Faz você se sentir seguro e com energia para começar a mudar. Pode lhe dar a força necessária para enfrentar novos desafios, para pesquisar corajosamente áreas inexploradas da sua vida e tornar mais agradáveis todas as suas experiências.
Quem tem autoestima também acredita nos direitos das outras pessoas, permite e encoraja os outros a terem suas próprias identidades, a expressarem o que sentem e desejam. A autoestima lhe permite ter diferenças, expressar suas diferenças e ser diferente. Quando você tem autoestima, você se sente seguro de ser você mesmo, assim como é. Você se sente confiante sendo você mesmo, um indivíduo distinto por suas próprias idéias, sensações, metas e valores.
Dentro da Terapia Floral, existem diversas essências florais que podem contribuir para o resgate bem como o fortalecimento da autoestima. Entre elas, podemos citar o floral Larch que aumenta a confiança e, dessa maneira, redifica a autoestima.
Para maiores informações, consulte um Terapeuta Floral.