sábado, 16 de outubro de 2010

Filme Comer Rezar Amar



Apesar de muitas pessoas já terem assistido, recomendo para quem ainda não viu, correr ao cinema para assistir o filme Comer Rezar Amar. Assim como o livro, achei o filme delicioso!!! Em todos os sentidos!!! Porém confesso que a pizza de Nápoles me despertou a vontade de pegar o avião e ir para lá comer a tal pizza. Como não era possível na quarta feira à noite, eu e meus amigos Rosana e Breno entramos na primeira pizzaria que encontramos ao sair do cinema. Tivemos sorte: a pizza que pedimos também estava uma delícia!

4 comentários:

Estela disse...

Comecei a ler o livro faz um tempinho, mas não consegui engrenar na leitura (já li outros na frente). Vou ver se consigo retornar...
Acho que, talvez seja melhor que eu veja o filme antes.
Bjs.

Emília, disse...

Amiga,amei os dois(livro e filme) e mexeu muito comigo....Tem uma parte da postagem feita por uma jornalista e o meu comentário veio logo depois...Acesse o meu arquivo do mês de outubro e leia a postagem:"Quando me vejo nos olhos dos outros".Vale a pena ler o comentário da"Carla Fernanda Panisset", da revista Personare.
Obrigada pelos votos dados à Camila.
Um abraço
Emilinha

emília, disse...

Amiga, voltei aqui para deixar o comentário que fiz sobre o filme.Na postagem tem um texto escrito por uma jornalista que é fantástico!!!Aqui vai o meu comentário....

"Amei o filme, apesar de ter gostado mais do livro.
Romper barreiras é difícil em busca de nossas verdades, da própria vida e partir para aquilo que realmente queremos ,sem interferência de outras pessoas.A busca é antes de tudo, interior.
Saí mexida do cinema, pois estou num período de pausa,revendo coisas minhas e percebi que em muitas vezes me faltou coragem para correr atrás de coisas que eu queria muito.O medo sempre se faz presente e as vezes, perdemos a grande chance da vida.
Logo que saí do cinema, me vi conversando com uma moça ,com lágrimas nos olhos, que me perguntou se eu havia assistido "As Pontes de Madison", pois faltou a protagonista a coragem para abrir a maçaneta do carro e seguir com a grande paixão da vida dela.Desistiu dos seus sonhos,pelo marido, que já não amava mais e os filhos que já eram grandes.A solidão acompanhou-a até o fim de sua vida.
Cheguei em casa e acessei o computador,e quem apareceu foi Eduardo, meu amigo de Coimbra.Comentei sobre o filme e disse à ele que por medo eu não tive coragem de pegar o avião da TAP, e que até hoje isto grita muito forte dentro de mim.A minha ida á Coimbra, não seria garantia de que pudesse vir a dar certo um relacionamento, mas os meus medos interiores e por apego a família, não tive coragem.Hoje, ele está casado com uma brasileira....De repente, ele silenciou do outro lado e eu brinquei:kd vc?
Ele respondeu que estava lendo, que tbém ficava mexido ouvindo mas que preferia nada dizer...Conversamos durante muito tempo....Coisas que a gente não explica.Vá assistir o filme...
Um abraço.....
Emília

Valquiria Rita Geraldini disse...

Olá, Emília!! A vida e seus caminhos... O livro e o filme também mexeram muito comigo. Beijos